Mutti Coach | Você conhece as dores dos adolescentes?
adolescentes, coach, teencoach, mutti coach
876
post-template-default,single,single-post,postid-876,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
 

Você conhece as dores dos adolescentes?

Palavras comovem, atitudes convencem!!!!

 

 

Você sabia que os adolescentes sentem e vivenciam algumas grandes dores?

                                                                                                Você sabia que na maior parte das vezes essas dores são vividas em silêncio?

 

Pois bem! Os adolescentes sentem muitas dores sim e esses momentos geram crises pessoais ou estresses. Entretanto, tudo está relacionado com as descobertas e os desafios, altamente estimulantes, que eles estão vivenciando. Falaremos sobre as 7 dores dos adolescentes. Essas dores são relatadas em pesquisas por meio de conversas com professores, pais, líderes e religiosos.

A primeira delas que falo aqui, mas não em ordem sequencial, mas sim por ser uma apontada nas pesquisas é a dor de: Achar seu posicionamento no mundo.

“Como assim? O adolescente sabe onde está, quem é e também sabe fazer escolhas!”

Você também acha isso? Se sim, engana-se.

A principal dor do adolescente na atualidade é achar seu posicionamento no mundo, descobrir quem ele é, quais são suas forças, o que ele tem de especial e a partir disso fazer suas escolhas morais, espirituais e relacionais.

Ouço muito : “Como assim, meu filho vive batendo de frente, não me respeita, não fala nada, se acha o dono da razão. Tudo o que falamos para ele está errado, inadequado e até mesmo  ultrapassado!”

Às vezes você questiona se sabe ser um bom pai ou mãe? Seu entendimento é que seu filho é ríspido com você? “No meu tempo não era assim” – mas não estamos mais no nosso tempo, pais! Já se passaram muitos anos até a data de hoje!

Para nossos filhos adolescentes não é uma questão de ser ríspido, é somente porque repetimos várias e várias vezes o mesmo conselho, como se eles fossem crianças. Porém, falam do jeito deles, que não querem mais ouvir aquilo, ou seja, “Tá bom mãe! Tá bom pai! Já ouvi isso muitas vezes”.

E como falamos para eles quando entendemos que nos enfrentam? Dissemos assim: “Não fale assim comigo, sou seu pai ou sou sua mãe, me respeite”.

E daí? Ser pai e mãe não quer dizer “ajoelhe-se e me obedeça”. Porém temos a sensação que somos invisíveis aos olhos dos nossos filhos porque eles parecem não estar nem aí com nossas preocupações e conselhos. Às vezes até tiram sarro da gente e, às vezes ainda, choramos ou ficamos irritados.

Certo, mas o que esquecemos é que eles não são mais crianças e precisam crescer, tomar suas atitudes para aprenderem a se virar na vida. E estão em um momento de vida super relevante, de auto afirmação. Eles cresceram!!!!!

Pai e mães, esse é o momento em que nossos filhos adolescentes começam a perceber o que eles desaprovam e o que não tem a ver com eles. Começam a se sentir “eles” e construir seus próprios valores.

Estes jovens começam a ver que alguns valores e tradições dos pais e da família que estão inseridos não são exatamente os seus e sofrem porque não conseguem ser defensores desses conceitos e ao mesmo tempo não conseguem ter forças para se posicionar com tranquilidade e dialogar sobre o que acreditam e pensam acerca de questões como religião, modo de se relacionar com as pessoas, pensamento filosófico, político, etc.

Inconscientemente, na maioria das vezes, essa dicotomia gera desconforto e conflito. Para eles algumas coisas fazem sentido em suas vidas, outras não, mas muitas vezes, nesse processo, eles não têm necessariamente clareza de onde pertencem, com o que se identificam e qual é de fato seu lugar, ou seja, a “tribo” a qual eles pertencem. É nesse momento que eles se sentem perdidos e, se existir um desequilíbrio emocional, os jovens tomam atitudes sem volta.

Nós adultos, muitas vezes, quando estamos em um conflito familiar, conseguimos resolvê-lo e nos sentimos pertencentes àquela família. Isto porque, supostamente, somos maduros suficientemente para sairmos “ilesos” de uma situação dessa. Com nossos filhos adolescentes a situação é diferente. O conflito é um sentimento confuso vivido por eles e ter um pensamento diferente dos pais e cuidadores significa que eles não podem pertencer àquela família.

Então, nesta situação em que o adolescente não conversa com os pais, não  expõe seus sentimentos, como podemos ajudá-los?

Dica de ouro da coach: O Método Teen Coaching ajudará o adolescente a entender que ele pode ter pensamentos próprios e ao mesmo tempo ser capaz de ouvir e compreender os pensamentos dos adultos e que isto gerará nele uma grande sensação de alívio e adequação!

Eu, Teen Coach quero ajudar seu filho, se ele quiser,  a se conectar com o mundo e com as pessoas com muita alegria e disposição. Essa atitude transformará a vida familiar de todos vocês!

Fale comigo! O saldo final será positivo! Vou adorar saber sua história e ajudá-lo a transpor este desafio.

 

Sem comentários

Postar um comentário